Repositório SET

Estado nutricional e frequência alimentar de servidores da Unidade Básica de Saúde Frei Damião, Maceió, AL

DSpace/Manakin Repository

Show simple item record

dc.contributor.author SILVA, Amanda Santos da
dc.contributor.author OLIVEIRA, Thallyta dos Santos
dc.contributor.editor GOMES, Jaqueline Fernandes
dc.contributor.editor BARBALHO, Tatiana dos Santos
dc.date.accessioned 2020-03-10T12:10:02Z
dc.date.available 2020-03-10T12:10:02Z
dc.date.issued 2020-03-10
dc.identifier.uri http://openrit.grupotiradentes.com:8080/xmlui/handle/set/3500
dc.description.abstract No cenário populacional do país, através das mudanças epidemiológicas, demográficas e socioeconômicas, o padrão alimentar sofreu transformações, provocando assim a transição nutricional, que por sua vez, é reflexo dessas mudanças, com o aumento do consumo de alimentos ultraprocessados. Desse modo, entendendo a mudança no estado nutricional da população, buscou-se relacionar informações do estado nutricional e frequência alimentar de servidores da Unidade Básica de Saúde Frei Damião, Maceió-AL. Para tanto, durante uma semana, foram coletados dados antropométricos e aplicados um questionário de frequência alimentar, resultando em dados sobre o consumo da população avaliada, e ao final da aplicação do questionário, foi realizada a avaliação antropométrica, na qual foram aferidas as medidas de peso, altura (para realização do cálculo do Índice de Massa Corporal) e circunferência da cintura, os quais foram os subsídios utilizados para classificação do estado nutricional. Todos os participantes do estudo assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Foram avaliados 30 servidores, de 25 a 59 anos de idade, de ambos os sexos. Observou-se que 36,7% dos avaliados eram do sexo masculino e 63,3 % eram do sexo feminino. Em relação à classificação do estado nutricional a maior frequência de sobrepeso e obesidade esteve presente nas mulheres se perfazendo um total de 36%, ao avaliar a amostra total (n=30), observou-se que o sobrepeso foi mais frequente 44% quando comparado à obesidade 23%. Na população masculina foi visto que 23% não apresentaram risco em relação a circunferência da cintura, no entanto, 17% apresenta risco muito aumentado, do mesmo modo em mulheres, por outro lado, uma minoria de 26% da população feminina não apresenta risco em relação a circunferência da cintura. No que se diz a respeito à frequência alimentar, foram escolhidos os 3 alimentos mais consumidos diariamente de forma inadequada de acordo com as recomendações do Guia Alimentar para a população brasileira, onde foram separados em 3 grupos, onde o grupo 1 dos alimentos in natura e minimamente processados, destacou-se o alto consumo diário de gordura animal 70%, baixo consumo diário de frutas 27% e vegetais 20%, no grupo 2 dos alimentos processados, observou-se a inadequação no consumo diário de pães 93%, peixes e carnes enlatadas 80% e peixes e carnes salgadas 53%. No que diz a respeito ao grupo 3 dos alimentos ultraprocessados, os servidores avaliados afirmaram que consumiam diariamente salgados fritos e assados 53%, biscoito recheado 47% e margarina 40%. Diante dos resultados propostos, considera-se relevante a adoção de políticas públicas nutricionais, preventivas e educativas, a fim de promover novos hábitos alimentares de forma saudável para a população pesquisada. pt_BR
dc.language.iso pt_BR pt_BR
dc.subject Estado nutricional pt_BR
dc.subject Frequência alimentar pt_BR
dc.subject Obesidade pt_BR
dc.title Estado nutricional e frequência alimentar de servidores da Unidade Básica de Saúde Frei Damião, Maceió, AL pt_BR
dc.type Produção bibliográfica: Artigos completos publicados em periódicos pt_BR
dc.description.localpub Maceió: Centro Universitário Tiradentes - UNIT/ AL, 2016. pt_BR


Files in this item

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record

Search DSpace


Advanced Search

Browse

My Account